3 sinais de que o meu filho é hiper ativo

1 – cria objetos de decoração personalizados

Toda a gente que, como eu, gosta de de-coração e arte sabe a importância de se ter peças únicas e originais, que ‘gritam’ criatividade e iluminam todo e qualquer espaço da nossa casa.

“E se eu não tiver dinheiro, nem pais ricos, para poder comprar um candeeiro da Luxxu: marca portuguesa que ilumina mansões e lojas de luxo?” – perguntam vocês.

Não desesperem amigos…! Aqui está a solução, em primeira mão!

Ter um bebé hiper vivaço! Que adora correr pela casa à velocidade de um furacão!

Ter um bebé hiper mexerico! Que adora mexer em tudo o que está à mão!

(E ao pé, e ao longe, e à vista, e escondido num armário, e numa prateleira alta à qual se chega se nos ‘empoleirarmos’ numa cadeira, …)

E, assim, meus amigos, um candeeiro que era banal e desenxabido, num minuto passa a candeeiro de ‘design’ e original.

2 – espalha amor pela casa

Toda a gente sabe que em casa onde não há amor todos ralham e ninguém tem razão. (Ou será pão?)

Bem, o amor é o alimento da alma, não é? Então a frase adaptada faz todo o sentido.  Não concordam?

Pois bem, e porque neste blogue, e casa, o amor pelo bem-estar é vivido e partilhado com agrado, partilho aqui outra vantagem de ser ter um filho hiper ativo e hiper amoroso:

O amor sente-se em todos os espaços da casa, o amor está no ar, no sofá e, até, na carpete.

(Veio-me agora à lembrança a canção “Love is in the air, everywhere I look around”.

Era uma música que se ouvia (e ouvia) lá por casa, a toda a hora, quando eu era miúda, pois os meus ricos paizinhos eram fãs do John Paul Young. Conhecem?

Pois bem, é a banda sonora ideal para acompanhar as seguintes imagens.)

3- proporciona animação garantida

Toda a gente gosta de um bom serão de animação. Certo?

Uma ida ao cinema ou ao teatro, um pezinho de dança na melhor discoteca da cidade ou assistir a um espetáculo de comédia do Cesar Mourão?

Um espetáculo, não é verdade?

“E o que pode ser ainda melhor do que fazer uma destas sugestões?” – perguntam vocês.

“Fazer todas três?!” – sugerem, alguns, talvez.

Ai não, meus amigos!! Que o que eu gosto mesmo, mesmo, é diversão em casa, com a família e amigos, não só à noite, mas também à tarde ou de manhã.

Há alguém como eu aí desse lado do ecrã?

Uma vez por outra também gosto de sair, mas sair todas as noites? Nãã!

A resposta à pergunta “E o que pode ser ainda melhor do que fazer uma destas sugestões?”

Eu respondo: Ter a diversão sem ter de gastar um tostão.

E é aí que está outra vantagem de se ter um filho hiper divertido e hiper talentoso.

E eu tenho a sorte de ter dois!

Animação é coisa que não falta cá por casa, de manhã, à tarde e ao serão.

Já falei sobre o gosto deles pelo palco aqui e pela comédia ali.

Tal como a sua mãe tinha talento e nome para as cantorias, também eles davam uns belos cantores, os meus dois piquenos amores.

(O meu amor mais velho não! O pai quando canta ‘assassina’ a canção! “Desculpa, amor, sabes que me comprometi a falar a verdade aqui.)

E hoje partilho mais algumas imagens da hiper animação que há por aqui, em alguns serões.

Nesta noite, há uns dois ou três meses, o ‘programa’ do serão era dobrar meias! (hahaha)

Aqui fica a comprovação de que as tarefas domésticas podem, e devem, passar de seca-chatice a hiper-diversão.

Cara de felicidade do Leo que adora tarefas domésticas, minha fada do lar!
Cara de ‘infelicidade’ do pai.
Bebé delirante, pai hesitante.
Ui, Luís Pedro! Se fosse eu a ti, não ia por aí!
Eu avisei-te, filhote!
Leozinho, foge! Antes que seja tarde!
Fiquei por ali, antes que sobrasse para mim!

A hiperatividade ponderada

Ainda antes de terminar este post de cariz humorístico, pois o bom humor faz muito bem à alma e ao bem-estar, gostava só de deixar uma pequena consideração sobre a questão da hiperatividade, pois os meus filhos são saudavelmente hiper/super/mega ativos.

E ainda bem!

Como professora e como mãe, esta é uma questão que me toca no coração.

É importante que se tenha atenção com a classificação ou ‘etiquetação’ das crianças como sendo hiperativas, assim do pé para a mão.  

O défice de atenção e a hiperatividade são desafios reais, mas é preciso alguma calma e ponderação com esta questão.

Sobre este assunto, deixo aqui um vídeo e as palavras do pediatra Paulo Oom:

“Hoje são classificadas como hiperativas crianças que, há uns tempos atrás, eram tidas apenas como mal educadas ou mal comportadas”.

O défice de atenção e a hiperatividade são, de facto, doenças, mas que estão “muito bem regulamentadas naquilo que são os seus sinais e sintomas”.

Diagnósticos feitos “um pouco ao de leve”, levam a que a hiperatividade pareça quase uma epidemia.”

Deixo, igualmente, uma sugestão de outro tipo de leitura sobre a questão, um site que aborda a relação entre a hiperatividade e a espiritualidade. https://www.marciafernandes.com.br/site/criancas-hiperativas-e-espiritualidade/

Qualquer que seja a vossa “visão”, quer se identifiquem mais com a primeira ou com a segunda sugestão, é preciso ter algum cuidado com diagnósticos feitos “à pressão”.

Bom serão!

Um serão que se quer animado, amoroso e iluminado!

Mais posts humorísticos de categoria (cof, cof, cof) na categoria HumorousLi, aqui.

“As vezes rir é o único remédio.” Valeria Nunes de Almeida e Almeida

Bem Haja!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *