Best Friends and Big Bens

Ultimamente tenho andado, ‘happiLi’, a saltitar, up in memory lane. Escrevi up e não down memory lane, pois são recordações que me fazem sentir muito “Up”, a flutuar, como aquele filme o “Altamente!” (Não é à toa que a minha imagem de capa no Facebook são balões rainbow a flutuar.) Hoje partilho uma imagem dos […]

Continue Reading

O caos e a poesia

Nos meus tempos de estudante universitária, tive a sorte e o privilégio de ter professoras e professores extraordinários. Uma delas foi a professora Maria Irene Ramalho. Nas suas aulas de Literatura Norte-Americana, o tempo passava a correr. Como agora quando me sento para escrever. Nas suas aulas-maravilha, dava imenso gosto ouvi-la. Percebia-se que tinha uma […]

Continue Reading

Lost in translation II

Há uns meses sugeri-vos um programinha cultural (?) e gastronómico diferente, longe da confusão dos locais turísticos habituais. Consistia num passeio por uma rua de nome sui generis, seguido de uma saborosa sobremesa num estabelecimento com um nome peculiar para portugueses, ou, pelo menos, para mim. Podem revê-lo aqui. Hoje, e porque nenhum passeio peculiar […]

Continue Reading

Leo, o torrãozinho

“Mãe, sabes, gosto mais do mano quando está em cute mode. Às vezes é tão giro e faz coisas tão fofinhas, e outras está tão chato e chora tanto. Não é que eu não goste sempre dele, mas tens de admitir que ele, por vezes, nos torra a paciência!” “Pois, compreendo. Eu também gosto mais […]

Continue Reading

Leo, o poliglota I

O Leozinho está um espetáculo, um autêntico espetáculo (de variedades). Dava para escrever um post diário só com as gracinhas e graçolas do rapazola. Adora explorar! Adora imitar os crescidos. Adora comer! Está crescido, sabido e um grande fofinho. Fala cada vez mais e melhor. Em casa fala maioritariamnte português e na escolinha inglês. Nas […]

Continue Reading

Querido, furei um pneu

Aconteceu tudo de repente. Ao regressar da escola do Leo, ao fazer uma curva, devia vir distraída com os meus pensamentos, em piloto automático, esqueci-me da traseira do carro e fiz a curva um pouco apertada. O som estrondoso do embate da jante/pneu no alto passeio foi o suficiente para me trazer de volta à […]

Continue Reading

Temos pena, Sr. Daniel Pennac, mas, às vezes, o verbo ler tem de suportar o imperativo!*

Ai e tal, as crianças só devem ler por vontade própria, não devem ler por sugestão ou imperativo dos pais ou dos professores. Sim, sim, isso é tudo muito lindo, mas, nos tempos que correm, com tanta concorrência desleal das novas tecnologias e com a proliferação das gadgeterias, não se pode facilitar. Por experiência própria, […]

Continue Reading